A Experiência com a GS 650 Sertão

– Nesta publicação, teremos o relato do nosso amigo Airton sobre sua primeira experiência com a BMW GS 650 novinha em viagem de Goiânia para Brasília. E assim segue o post…

Airton – 21/04/2014:

Confesso que estava com receio de pegar a moto na loja, fazia muito tempo desde minha última experiência, mas uma frase do pilar “quando se anda de moto não se esquece” me deu ânimo e confiança.

Do pouco que andei com a moto até agora o que tenho a dizer é que dá vontade de pegar a estrada de novo com ela o quanto antes. É perfeita. Muito ágil para ultrapassagens. A velocidade de cruzeiro ficou em torno de 100 a 110. Algumas esticadas até 140 para ultrapassagens, que por sinal chega muito rápido a isso. A 100 por hora ela é muito macia. Mas pode andar a 110 pra não achar que está muito devagar. A 140 você sente a vibração que tanto falam, mas nada que chegue a incomodar. Os freios ABS fazem seu trabalho muito bem. Pode pisar no freio traseiro que você chega a sentir quando ele está trabalhando. Porém, o dianteiro é que para a moto numa distância menor de frenagem sem travar. Quando estava saindo de Goiânia pela perimetral fiz questão de andar na parte ruim do asfalto da direita onde andam os caminhões e ela absorve muito bem. Sobre o consumo, a média ficou em 24/Km/l. O tanque é 14 litros, 4 são na reserva. O recomendado pelo manual é chegar no máximo a 5000 rpm nos primeiros 1000Km, vi isso depois que cheguei em casa, senão não tinha chegado a 140km/h.

A conclusão é que vamos muito bem pra essa jornada. A impressão é que quando se anda de moto é que realmente se aprende a dirigir. No carro você fica numa bolha e meio que vai levando sem preocupação. Na moto você fica atento o tempo inteiro prestando atenção a tudo ao redor.